A multiplicação digital da Kodak
A multiplicação digital da Kodak
2/12/2016

A marca americana que simbolizava a fotografia de papel usa agora o mesmo veneno que a derrubou para reescrever sua história: a digitalização. Os bancos estão no alvo

 

Fundada em 1880 e responsável pela popularização da fotografia, a Kodak, entrou em concordata em 2012, com US$ 6,75 bilhões de dívidas. Nessa trajetória, um capítulo, é emblemático. Em 1975, a companhia inventou a câmera digital. No entanto, decidiu não lançar o produto, com receio de canibalizar as vendas de seus filmes fotográficos. Anos depois, a entrada tardia no segmento cobrou seu preço. A jornada da marca icônica, porém, não chegou ao fim. Em 2013, o fundo de pensão britânico KPP comprou a divisão de scanners e de softwares de captura de documentos da marca, por US$ 650 milhões, e rebatizou a empresa de Kodak Alaris.

Agora, a companhia quer imprimir uma nova página dessa história. Com uma receita de US$ 1,26 bilhão, a empresa busca dar um novo fôlego à antiga gigante de tecnologia. E sua maior aposta é justamente um dos fatores por trás do declínio da Kodak: a transição do papel para o digital. A estratégia passa pela oferta de scanners de menor porte aos clientes que já utilizam as grandes máquinas da antiga marca em suas retaguardas. “Temos o benefício de poder usar um nome muito forte, que abre portas e, ao mesmo tempo, estar em uma empresa pequena e mais ágil”, diz Vanilda Grando, diretora da Kodak Alaris para a América Latina. “As decisões são muito rápidas. ”

Os bancos são um dos mercados potenciais dos novos scanners. A ideia é agilizar processos como a abertura de contas, com a digitalização dos documentos dos clientes na ponta, pelos gerentes. Com essa finalidade, o Banco do Brasil comprou, recentemente, 28,5 mil equipamentos. No portfólio da Kodak Alaris, o preço dos scanners varia de R$ 2,4 mil a R$ 330 mil. Outro foco são os softwares de captura e envio de documentos. A prioridade é estender essas funções aos smartphones. “Já é possível fazer depósitos pela imagem do cheque enviada via celular”, diz Luciano Ramos, analista da consultoria IDC. No Brasil, além do setor financeiro, a Kodak Alaris mira mercados como saúde, com os projetos de prontuário eletrônico, e jurídico, com o avanço dos processos eletrônicos.

“A Kodak Alaris pode capturar muitos benefícios da marca Kodak, que ainda é sinônimo de qualidade e tecnologia”, diz Anne Valaitis, analista da consultoria InfoTrends. Esse vínculo já rende frutos no Brasil. Após herdar a liderança no mercado local de scanners, a Kodak Alaris ampliou sua participação de 56%, em 2015, para 60% nesse ano, segundo a InfoTrends. No País, as principais rivais são a taiwanesa Avision, a americana Brother e a japonesa Fujitsu. Vanilda afirma que a América Latina tem fôlego para figurar entre as principais operações da companhia. “Como somos mais enxutos que outras regiões, já estamos prontos para escrever essa nova trajetória. ”

 

Por: Moacir Drska

Foto: Biafra Cabral (Novo foco: a Kodak Alaris, de Vanilda Grando fatura R$1,26 bilhão)

Não há comentários para este post, seja o primeiro!
Nome
E-mail
Seu e-mail não será exibido.
Comentário
Curta nossa Fanpage
(31) 3503-2430
comercial@datafilme.com.br
CNPJ: 19.628.783/0001-80
Rua São Paulo, 1400
Bairro: Nova Granja | Vespasiano
Minas Gerais - Brasil
© Copyright 2020 | Datafilme - Controle e Preservação de Documentos - Todos os direitos reservados